Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



#ForçaChapecoense

por Marquês, em 29.11.16

Porra… Ainda me custa acreditar.

 

 

Mais um acidente de avião, mais uma tragédia, mais uma ceifada na vida de quase 80 pessoas. A morte nunca é fácil de digerir, as tragédias nunca são aceites levianamente.

 

Esta madrugada o avião que transportava a equipa brasileira do Chapecoense despenhou-se durante a viagem mais importante da vida do clube e dos jogadores e dirigentes a bordo.

 

Um clube humilde que há poucos anos andava pelas divisões inferiores do Brasil. Esta época, pelo terceiro ano a disputar o Brasileirão em 43 anos de história, conseguiram um apuramento histórico para a final da Sudamericana – a segunda competição mais importante de clubes da América do Sul. Uma equipa de jogadores que nunca estiveram sob as luzes da ribalta. Uma equipa de jogadores que fazia a sua própria história. Infelizmente esta história não teve final feliz. Despenhou-se juntamente com o avião que os transportava.

 

Por todo o mundo os clubes manifestam o seu apoio. As hashtags #ForçaChape ou #ForçaChapecoense já têm milhões de partilhas nas redes sociais. Desportistas, clubes, adeptos, ninguém fica indiferente.

 

Eu estou chocado. Acordei com esta notícia e ainda me arrepio a cada partilha nas redes sociais, a cada notícia que teima em não aumentar a lista de sobreviventes. De 81 pessoas a bordo dizem que apenas seis sobreviveram, 6! E a lista pode encurtar.

 

Nestes momentos a solidariedade surge, todos querem ajudar, todos tentam manifestar o seu apoio.

 

O Atlético Nacional, clube da Colômbia que seria o adversário na final da Sudamericana, já expressou intenções de entregar o título ao Chapecoense. Os jogadores do Atlético uniram-se e pediram-no. Um título nunca será mais valioso que uma vida, que 75 vidas.

Os clubes do Brasileirão expressaram vontade de emprestar jogadores ao Chapecoense para que o clube possa manter-se no activo e pedem até que o clube não possa ser despromovido nos próximos três anos.

Pela Europa, clubes como o Benfica comprometem-se a emprestar jogadores ao Chapecoense.

 

 

São pequenos gestos que não vão trazer de volta o Filipe Machado, o William Thiego, o Marcelo Augusto, o Dener Assunção, o Mateus Caramelo, o Gimenez, o Ananias, o Arthur Maia, o Cleber Santana, o Gil, o Matheus Biteco, o Sérgio Manoel, o Josimar, o Bruno Rangel, o Aílton Canela, o Everton Kempes, o Lucas Gomes, ou o Tiaguinho – que ia ser pai. Nem os dirigentes ou jornalistas ou tripulantes a bordo.

 

Mas são pequenos gestos de uma nobreza enorme.

 

Força Chapecoense!

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Imagem de perfil

De Maria a 29.11.2016 às 19:35

É muito chocante, sim

Comentar post



O responsável

foto do autor



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D