Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Viral: homens assediados no shopping

por Marquês, em 03.03.16

Está a tornar-se viral um vídeo em que vários homens são assediados por um suposto homossexual e as suas reacções são filmadas.

 

Situação: escadas rolantes de um centro comercial, vai um actor a subir e pelo caminho toca na mão de um homem com quem se cruza e fica a "fazer olhinhos" ou a provocá-lo sensualmente (se calhar é só olhinhos).

 

Reacção: os homens não gostam, ficam incomodados, ameaçam quem lhes tocou na mão. Uns tentam tomar uma atitude de macho, outros são simplesmente parvos. Mas todos eles têm reacções negativas. Talvez por não serem homossexuais ou simplesmente porque não gostaram de ter uma pessoa estranha a tocar-lhes.

 

Viralidade: várias mulheres estão a partilhar o vídeo para mostrar como se sente um homem quando é assediado para demonstrar que, tal como elas - não gosta!

 

Pequeno à parte: o vídeo não é nenhuma campanha contra o assédio feminino (como muitas pessoas estão a pensar). Trata-se de um vídeo de comediantes franceses que decidiram tocar na mão de outros homens para filmar as suas reacções de modo a provocar muitas risadas. Se calhar nunca pensaram que o vídeo deles viesse a ser "tratado" como uma campanha contra o assédio feminino...

 

Conclusões:

O assédio é crime, é feio, é má educação, é desrespeito. 

Ainda existe preconceito com a homossexualidade.

Os homens que tentam roçar-se com loiras de peito grande nas discotecas não gostam que lhes toquem na mão nas escadas rolantes de um centro comercial.

Se estes comediantes tivessem tentado fazer isto na Rússia tinham levado três ou quatro pontapés na boca.

O gordinho ficou lisonjeado!

 

Idiotice:

"Se fosse uma mulher a tocar-me na mão é que era logo festa" - by macho, aprisionado mentalmente no século XX.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Uma Aventura no Jardim/Bosque

por Marquês, em 22.02.13
Numa viagem cultural, e de descontracção, dei por mim num jardim que mais parecia um bosque. É isso mesmo, fui visitar o jardim de um museu/fundação e encontrei um verdadeiro bosque. Árvores, muito espaço, um curso de água, mais árvores, mais espaço, um jardim e muita natureza. Eu já vi jardins e aquilo, meus amigos, era um verdadeiro bosque.

Enquanto vagueava pelo "jardim" comecei a magicar histórias e a desvendar mistérios. Como foi durante a semana, estavam lá grupos de jovens estudantes em visitas de estudo. A vaguear, a tirar fotografias, a correr, estavam a divertir-se na imensidão do bosque. Muitos deles, possivelmente, só conheciam a natureza das histórias de encantar e isso pode explicar a forma maravilhada como viam aquela imensidão de natureza à sua volta. E eu parecia que estava dentro de um livro da Isabel Alçada e da Ana Maria Magalhães! Não só pela vertente cultural mas também pelo enigma "seria um jardim ou um bosque" ou ainda pelo facto de as crianças desaparecerem no meio das árvores para depois voltarem a aparecer atrás de umas moitas, sabe-se lá a fazer o quê. E fiquei com a sensação que, a certo ponto, vi uma patada de um tigre!

Ponto de reflexão: crianças nos seus 13, 14 anos com grandes máquinas fotográficas. Senti-me velho. No meu tempo, carregava comigo uma pequena máquina fotográfica de 3.1 megapixels. Aquelas crianças tinham câmeras com objectivas enormes. Aliás, um simples smartphone tem o triplo dos megapixels das máquinas fotográficas que eu conhecia até entrar para a universidade. É a idade.

De tão pequeno que era o jardim, havia uma enorme equipa de funcionários por lá, jardineiros e afins. E aí vi algo que me intrigou: um desses funcionários passeava em passo acelerado, com uma caixa debaixo do braço, pelo bosque abaixo em direcção a uma zona rescondida onde eu teria medo de entrar sozinho. Tendo em conta que havia crianças a passear por lá, ao cuidado de um professor por cada 20 alunos, comecei a imaginar o pior. Era a cabeça de uma criança que seguia escondida na caixa, tenho quase a certeza! Ainda pensei em alertar os professores: "olhe, se no final da visita de estudo sentir a falta de alguém, vão encontrá-la numa caixa que um dos funcionários carregava e possivelmente foi enterrar junto àquela azinheira". Estive quase para ir ter com os professores. Mas a rapariga que estava comigo, por quem nutro um sentimento, disse que era melhor não o fazer e puxou-me para fora do jardim. Contudo, continuo a pensar nisso. Um crime aconteceu ali e uma criança desapareceu. O bosque era grande, era fácil esconder o corpo. Pobre criança, atacada por um sujeito com jardineiras e um ar de psicopata. Enfim, a tarde passou e acho que nenhuma criança desapareceu e a caixa levava apenas uma sandes de queijo e fiambre. Espero eu...

Isto é o curso de água lá no jardim. Foi por estas escadas que o funcionário carregou o corpo do jovem

Autoria e outros dados (tags, etc)


O responsável

foto do autor


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D