Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Reencontro de velhos amigos

por Marquês, em 09.01.15

De chegada à Grécia, Vítor Pereira apercebeu-se que o guarda-redes do seu novo clube é o Roberto. 

Conversaram um pouco...

 

VP: Olá Roberto, tás boum? Dá cá mais cinco, carago!

R: Si, si.

VP: Confio muito em ti, carago. És o meu número 5!... 1, quero dizer, 1!

R: Gracias, mister.

VP: Mister, ainda falas português? Pois, foste treinador pelo Jesus.

R: Si, pero mister es ingles, yo no hablo portugues.

VP: Ah. Por falar em Portugal, tens ido a Portugal? Ao Porto, por exemplo. Lá todos gostam muito de ti.

R: No, no.

VP: Tás muito caladinho. Tem calma, amigo. Desta vez não trouxe o Hulk comigo. Hehehehe.

 

O Vítor Pereira abraçou o Roberto, deu-lhe uma bola para as mãos, o Roberto apanhou a bola do chão à terceira tentativa e seguiram caminhos opostos no campo de treinos do Olympiacos. O Vítor Pereira nessa noite não dormiu, a pensar que na baliza tinha um guarda-redes "sem mãos"...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Está na moda jogar finais

por Marquês, em 22.04.13
Quem toma atenção ao panorama desportivo europeu, leia-se "futebol", já deve ter notado isto: está na moda jogar finais. O Benfica lidera a Primeira Liga Portuguesa, ou Liga Zon Sagres referente ao naming dos patrocinadores, mas deixou de jogar jornadas e passou a jogar "finais".

Ora, se faltam quatro "finais" ao Benfica para ser campeão, se vencer três e perder uma já não é campeão? Quem perde uma final não é campeão. Será que o Benfica consegue perder uma final e ser campeão? Consegue, matematicamente consegue. Coisa estranha.

O ser humano é de modas, de "pancadas". Um café vazio é mau, um café cheio é muito bom, um café com duas pessoas de fato é caro, um café com duas pessoas de gorro é mal frequentado. Se um grande treinador ou jogador diz que os jogos que faltam são finais, deixamos de ter jornadas e passamos a ter finais, que bem lá no fundo não são finais.

Gosto de discursos coerentes, provocatórios, adoro mind games e ironias, não gosto de frases feitas nem que digam o que é bonito, gosto de gente directa e de indirectas. Quem diz que faltam finais devia ser banido das conferências de imprensa, mandem para lá alguém que saiba o que diz. Vitórias morais, perder porque os adversários foram melhores, jogar bem e perder, tudo desculpas, tudo tretas, tudo palavras de quem não sabe dizer nada. Quem diz que os jogos que faltam são finais peca por não saber o que diz. A primeira vez que ouvi esta expressão, há vários anos, achei alguma piada, à segunda vez soou-me mal, a partir daí foi o descalabro. Parecem aquelas frases ditas pelos comentadores que nada comentam. Vamos lá jogar jornadas e eliminatórias que as finais que se aproximam jogam-se em Wembley e em Amesterdão!

Autoria e outros dados (tags, etc)

A melhor equipa é a que ganha, depende

por Marquês, em 04.04.13
Uiiiii, tenho tanto para escrever que, se meter férias durante os dias, sou capaz de escrever três livros, duas teses de mestrado e duas listas de compras! Ok, talvez esteja a exagerar, e uma lista de compras, assim está melhor. Estou cada vez mais apaixonado pelo futebol e cada vez mais quero estudar o futebol e tudo o que o rodeia.

Para quem aqui veio parar depois de pesquisar no Google pelo curso/formação de "Scouting no Futebol" da Quest à procura de uma opinião - frequentei e aconselho vivamente! Bastante interessante, formadores com muita bagagem e boas histórias para contar (mesmo daquelas que depois não podemos dizer nem à namorada ou ao periquito, e se tiverem um papagaio também convém não dizer porque esses bichos aprendem a repetir o que nós dizemos e são uns desbocados). Não pensem que vão sair de lá observadores a sério, isso vão ter de aprender por vós próprios, lá adquirem alguns conhecimentos, alguns modelos de observação, alguns conselhos. Estudem bem a matéria antes e preparem questões para colocar aos formadores, aproveitem os intervalos para socializar com os outros formandos.

Ontem assisti a um seminário sobre Formação de jogadores de futebol, quatro intervenientes, cada um com as suas ideias e as suas formas de pensar a modalidade e os seus praticantes. No final, fiquei a pensar que, das duas uma: ou sou revolucionário ou maluco. Eu explico, no auge da minha loucura em prosa: concordei com todos, discordei de todos, continuo a pensar em coisas que ninguém disse e acredito que no futebol tudo é relativo. "A melhor equipa é a que ganha", "podemos formar jogadores ou formar equipas", "nem sempre ganhar é o mais importante", estas e outras frases que se ouvem nos cafés e em todo o lado, também as ouvi num seminário sobre futebol com pessoas ligadas à área. Tudo tretas e tudo verdades! Para mim, tudo depende. Os jogadores não deixam de ser pessoas e o futebol até pode ser visto enquanto um emprego e ninguém é igual a alguém e ninguém trabalha da mesma forma. Os jogadores também são seres humanos e pessoas, também têm aquela coisa dos sentimentos e emoções. Nada é garantido no futebol, neste caso. Nem a bola é redonda, por vezes está mais cheia ou mais agastada, nem o campo tem sempre as mesmas medidas, nem sempre são 11 contra 11, nem sempre o melhor ganha, em 90 minutos pode não acontecer nada e em cinco segundos pode acontecer muita coisa. Existem variáveis, várias variáveis que variam e condicionam. O Ronaldo também falha, o Mourinho também se engana, o Buffon também mete frangos, na distrital também há pontapés de bicicleta. C'um caneco, se o futebol é uma ciência, a única ciência exacta é a matemática, confere, o futebol não é exacto. Já para não falar naqueles que leram os livros sobre o Mourinho e ficam a pensar que percebem de futebol, hilariante. Por agora, fico-me por aqui. Vou mandar postas de pescada para outra freguesia, literalmente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Fevereiro

por Marquês, em 20.02.13
Amigos meus, meus amigos, peço-vos desculpa pela minha ausência não anunciada. Estive de férias. É verdade, aqueles dias pelos quais os trabalhadores comuns deste mundo anseiam sucederam nestes dias e não quis perder os meus preciosos minutos de descanso em frente a um computador. Isso e preguiça, maldita!

Espero que a vida vos esteja a correr bem. 2012 já nem lembra ao diabo e melhores dias virão. Já vamos em Fevereiro, o mês pelo qual os homens tanto choram, pelo bom e pelo mau. Este mês malandreco significa a chegada da fase a eliminar da Liga dos Campeões e da Liga Europa, o futebol espectáculo, a emoção da bola, os lances polémicos e os adeus inesperados. Mas marca também o dia de S. Valentim, pelo qual as raparigas se pelam, sempre à espera de surpresas. É verdade, nós homens sofremos uma pressão imensa nesta altura e tudo o que idealizamos é um esforço em vão. Nada corre como planeado, elas ficam desiludidas e, em certos casos, lembram-se de ficar tristes em noite de Liga dos Campeões! Não me sucedeu isso mas sei que acontece. Estou convosco amigos, temos de ser fortes nestas alturas!

Nestes dias para o relaxamento consegui ver a bola, fui raptado por extra-terrestres verde-alface, comi pela primeira vez uma francesinha, andei de teleférico, explorei os confins mais profundos da Terra, aventurei-me à descoberta do caminho marítimo (é justo dizer caminho marítimo quando só atravessei um rio?) para o outra margem, ganhei o euromilhões, gastei tudo em meninas, aguardente velha e apostas em cavalos, fui a Vegas, casei com uma stripper, divorciei-me, voltei a casar com a mesma stripper, voltei a divorciar-me, tentei roubar um tigre a um famoso, roubei um caniche a uma velhota, estive preso, não fui sodomizado à bruta, fugi num cesto da lavandaria, voltei a casar com a mesma stripper e apanhei boleia de um golfinho até ao estuário do Sado. Ou então estive só a preguiçar no sofá a ver comédias românticas e a engordar à base de batatas fritas de pacote e Ice Teas de marca branca...





Bom resto de Fevereiro e que venham daí os textos à sombra de uma fatia de pão e um copo de vinho. Já passou essa data manhosa, a inspiração irá voltar aos poucos e as minhas palavras sem sentido irão fluir neste espaço novamente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Efeito bola de neve

por Marquês, em 30.01.13

Nunca vi neve, já vi gelo ou algo parecido com neve mas neve a sério, como se vê nos filmes, nunca vi. Talvez porque venha do Algarve, conhecido pelo calor e praias, talvez por viajar pouco ou nada, talvez por não gostar do frio. O facto é: nunca vi neve. Mas é como se visse neve todos os dias, ou pelo menos estou metido numa grande bola de neve.

Li há pouco que vão fechar mais 15 salas de cinema no Algarve, nove na Guia e seis em Portimão. Isto no dia seguinte a ter ido ver o novo filme de Tarantino ao cinema e ter encontrado uma sala a meio gás, mesmo com os descontos de segunda-feira. Isto depois de já ter lido que o número de espectadores diminuiu em 2012. Isto depois de ter visto que o filme Morangos com Açúcar teve um sucesso do camandro. Isto depois de ter visto que os bilhetes de cinema aumentaram de preço a velocidade vertiginosa nas últimos anos. Isto depois de ver que o IVA na cultura subiu à bruta. 

Conclusão: este país destrói-se a si próprio, destrói a sua identidade, vende-se ao preço da uva mijona, compra tudo o que é estrangeiro, apoia tudo o que é vergonhoso, expulsa os inteligentes e corajosos.

Os Globos de Ouro portugueses e outros prémios nacionais são uma ofensa à cultura. Não me apetece divagar sobre os vencedores, gosto de ir ao fundo da questão e indagar-me contra a sua nomeação. Lá fora, temos realizadores, filmes e actores portugueses que são galardoados em vários festivais, cujo valor junto da indústria cinematográfica é enorme. Mas de que importa isso para nós? Afinal de contas, são portugueses. 

A cultura está cara, os espectadores pensam duas vezes antes de ir e tentam escolher algo que sabem que vão gostar. E o efeito bola de neve está para durar. 

Hipoteticamente falando, eu ganhava X e conseguia ir várias vezes ao cinema, ao teatro, ao futebol, comprava jornais e revistas, comprava livros, tinha um bom telemóvel e roupa de marca. O Estado lembra-se a tirar-me uma bela fatia do ordenado e começo a cortar em algumas coisas que gosto de fazer. Como se não bastasse, tudo aumenta de preço. Para melhorar, aumentam os serviços, a água, o gás, a electricidade, os transportes, as idas ao médico, o preço do combustível, e vou cortando no uso que dou ao dinheiro. Mas o pão e as compras no supermercado também aumentam e eu passo a comprar produtos mais baratos e em menores quantidades. Antes ia almoçar fora todos os dias e bebia um refrigerante mas sinto o bolso mais apertado e vou só uma vez por semana. No café onde almoçava o dono queixa-se que os produtos que compra estão mais caros, tem de pagar mais impostos sobre o que vende, tem de pagar mais pelas contas de utilização do espaço, é obrigado a aumentar uns míseros cêntimos no que vende mas a clientela está falida e nota o aumento, deixando de ir com tanta frequência. Tudo fica mais caro e a carteira mais curta. Perco dinheiro, perco qualidade de vida, e nem o "desenrascanço" de português me tira do sufoco ao fim do mês. E a bola de neve vai crescendo e parece que neste momento só tenho neve na carteira. O que me vale é que estou a falar no "hipoteticamente"...

Autoria e outros dados (tags, etc)


O responsável

foto do autor


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D