Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Oh mãe, sou viciado...

por Marquês, em 17.06.12
Estava eu aqui tranquilamente a olhar para o guarda-fato e a pensar no que vestir esta tarde. Para quem não vive neste Mundo, daqui a pouco joga a selecção nacional de futebol e é preciso equipar-me a preceito. Mas como eu estava a dizer, pensava eu no que vestir e cheguei à conclusão que não tenho roupa para ir ao café ver a bola. Nunca faltou algo no meu guarda-fato: roupa desportiva. E agora não tenho...

Cresci com pouco, nunca me faltou nada, contudo, nunca vivi com abundâncias. Roupinha barata e prática, usada vezes a fim, comidinha do campo bem aproveitada, prendas por mérito ou datas especiais e pouco mais. Cresci bem, tenho orgulho em tudo. No entanto, via muitos pintarolas com roupinha da moda, roupinha nova todos os dias, zingarelhos nos bolsos como se de magnatas se tratassem. E eu na minha, roupinha prática, tshirts sem cor e ténis com buracos mas sempre vestido. Só havia uma coisa em que os meus pais me mimavam: equipamentos desportivos. Podia ter roupa barata mas os ténis de jogar à bola e o equipamento para fazer desporto eram de marca, bons e, inevitavelmente, caros. Os ténis do dia-a-dia custavam 15 euros, os ténis quando eu praticava atletismo custavam 80...

E agora estou a olhar para a vestimenta para ir ver a selecção e não encontro uma t-shirt para ir ver a bola, é só camisas de marca. Fui consumido pelo capitalismo! Virei brandaholic... viciado em roupa de marca e já nem t-shirts para ir ver a bola tenho. Uma pequena explicação para o que aí vem: nunca fui fervoroso pelo mediatismo à volta da selecção nacional de futebol. Gosto de futebol, vejo os jogos todos, mas não me peçam para pactuar com o circo (muito bem dito pelo meu conterrâneo Manuel José!). Não tenho bandeira nem cachecol, tinha uma t-shirt mas já não me serve. E agora, para ir ver a bola, resta-me vestir uma camisa de marca portuguesa e lá vou eu ver o Cristiano Ronaldo espetar três boladas na baliza dos moços do país das papoilas!

Autoria e outros dados (tags, etc)

A problemática da ciência exacta

por Marquês, em 14.06.12
Pelas minhas contas (e desde logo tenho medo que muitos leitores deste blogue não consigam perceber o palavreado por mim escolhido), não é só a selecção nacional de futebol que tem problemas a nível das contas.

82% de negativas a Matemática na garotagem que passeia pelo 9.º ano do ensino português é aborrecido. Digo isto porque sempre gostei dessa que é a verdadeira ciência exacta e mestre da lógica. Não há cá respostas incompletas ou meio certas, ou está certo ou errado. Aliás, uma das maiores desilusões da minha infância, a par da mão do Abel Xavier no Euro2000, foi um Suficiente Mais nessa dita disciplina. Sempre fui do contra e como é normal não gostar de matemática, eu gostava. Obviamente, cheguei a ser insultado por dizer que gostava de matemática, tal como fui gozado por gostar de bróculos e apupado por gostar de usar um maiô justinho para fazer ginástica - as crianças são terríveis.


Contudo, este aborrecimento é preocupante para o futuro, a curto e longo prazo. A longo prazo temo que os jovens de hoje não consigam perceber quanto devem ao banco ou porque raio existe um tracinho no saldo bancário. E a curto prazo temo que 82% dos jovens portugueses não consigam perceber as probabilidades de Portugal chegar aos quartos-de-final do Euro2012. É que se Portugal ganhar e a Dinamarca ganhar, Portugal tem de marcar mais golos que os nórdicos para passar e até pode ficar em primeiro lugar do grupo mas depois também existe a Alemanha que ganhou a Portugal e tem uma diferença de golos de dois golos. Mas se Portugal perder e a Dinamarca perder ficam três equipas empatadas com três pontos mas se Portugal só perder por um golo de diferença passa na mesma. Mas depois Portugal também pode empatar e se a Dinamarca empatar ficam com os mesmos pontos e com os mesmos golos mas Portugal passa porque ganhou à Dinamarca com um golo do camisola 18... Nesta brincadeira toda, se ficarem três equipas empatadas com os mesmos pontos, só há festejos quando sair o calendário oficial com os jogos dos quartos-de-final...

Autoria e outros dados (tags, etc)


O responsável

foto do autor



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D