Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Golos e gelos

por Marquês, em 03.03.15

Depois de um Fevereiro de pausa, em que as peladas foram tragicamente trocadas por outros assuntos de menor importância, regressamos ontem a espalhar magia num pavilhão aqui da zona!

 

Foi bom. O mês de pausa serviu para descansar o pé, de uma entorse no pé direito, e ontem entrei em campo a sentir-me melhor, sem dores. Soube bem voltar a sentir a bola no pé - na última pelada só tinha usado o pé canhoto - e arrisquei o remate, apesar de ter algum receio ainda.

 

Muitos golos, muitas jogadas de qualidade quase ao nível da UEFA Futsal Cup, muitas trapalhadas e remates mal direccionados. Afinal de contas, o resultado é o que menos interessa.

 

Da minha parte, estas peladas servem para descontrair. Segunda é sempre um dia stressante, custa voltar a entrar no ritmo de trabalho após o fim-de-semana, há sempre coisas que ficaram atrasadas da semana anterior e a partir das 5 da tarde é uma luta contra o relógio. Junta-se o pessoal e brincamos ao futebol, tentamos copiar as fintas da televisão, acreditamos que conseguimos meter duas ou três bolas no ângulo, tentamos fazer cuecas ao nosso colega de trabalho (ontem levei três cuecas mas posso desculpar-me com o pé, certo?), imaginamos triangulações que na nossa cabeça vão dar golo mas acabam na linha lateral, damos toques de calcanhar e picamos a bola por cima do guarda-redes. Mas há sempre jogadas bonitas - quando as coisas realmente correm bem. Aqui, as cuecas são das humilhações máximas. E os cabritos, mas isso é deveras raro. 

 

Foi bom regressar. Marquei dois golos! Convém dizer que estava sem marcar um golo desde 2013 e foi um momento quase emocionante. Pensei dedicar o golo à bancada mas estava vazia e o jogo continuou como se apenas de um golo se tratasse. 

 

Fica o aviso. Estou de pontaria afinada! E gelo no pé - voltei a sentir dores depois de algumas mudanças de velocidade...

Autoria e outros dados (tags, etc)


Orelhudo, magricela, desengonçado e trapalhão, Angel Di Maria, Angelito, Di Magia, Triki Triki (alcunha que vem dos tempos em que jogava no Rosario Central) ou Fideo (noodles, se preferirem), o 7 da Argentina, o 22 do Real Madrid, o melhor jogador feio da actualidade.

Há uns meses lembro-me de ter lido, algures num “periodico” do país que fica a Este de Portugal, que Di Maria achava uma injustiça não ver o seu nome na lista de candidatos a melhor do Mundo. Por incrível que pareça, ou talvez por ainda me lembrar das suas arrancadas pelo corredor esquerdo daquele que foi o melhor Benfica que conheci, deu-me para concordar com ele. E hoje ainda concordo mais.

O tímido jovem magricela que aos 19 anos chegou a Lisboa tem feito de tudo para escrever o seu nome na história do futebol moderno. Contudo, conquista após conquista, golo após golo, a cada assistência que efectua com os seus magistrais passes de letra (diz o Angelito que tem mais confiança em cruzar de letra com o pé esquerdo do que em cruzar com o pé direito), o seu nome continua a não encher capas de jornais. Excepto em Rosario, cidade que o viu crescer e que ainda hoje acompanha a carreira de um dos seus maiores, se não o maior, prodígios.

Mas o Angelito nunca será um dos melhores do Mundo. Ou, reformulando, nunca será um dos melhores do Mundo para os media porque, para mim, já o é há muitos anos.

Para se ser um dos melhores do Mundo não basta jogar bem ou ganhar títulos ou bater recordes. Isso são apenas gotas num oceano. Para se ser realmente um dos melhores do Mundo é preciso que alguém diga que nós somos bons. É preciso que se escrevam crónicas e artigos de opinião, é preciso que alguém debata ou opine num qualquer programa onde os Freitas Lobos e Ruis Santos desta vida debatem e opinam, é preciso que os editores coloquem os nomes e as fotos nas capas dos jornais. Sem isso, muitos jogadores banais seriam isso mesmo – jogadores banais. Mas Angelito não tem imagem, ninguém fala nele, é um jogador feio. Foi o melhor jogador dos Jogos Olimpicos 2008, foi o melhor na final da Champions de 2014, foi o melhor ontem contra a Suíça. Mas não chega. O inútil do rato, que mais não fez em 120 minutos que um passe para golo, é sempre o destaque, mesmo tendo esse golo saído do pé esquerdo do feio.


O feio, o tal que não merece ser considerado um dos melhores do Mundo, ataca, defende, faz picos com e sem bola durante 90 minutos, 120 se for o caso, passa, desmarca, desmarca-se, luta, rouba bolas, fecha espaços, cruza, remata. Não é o melhor jogador argentino porque existe Messi, joga nos “blancos” e aí tem o Ronaldo, é patrocinado pela Adidas e leva novamente com o rato. Talvez se tivesse orelhas mais bonitas, ou se tivesse mais carisma, ou se desse mais entrevistas. Jogar bem não chega para que o feio Angelito possa ser um dos melhores do Mundo. Para mim, que gosto de ver futebol sem comentários, é dos jogadores que mais gosto de ver, é decisivo nas suas equipas e isso basta-me.

Autoria e outros dados (tags, etc)


O responsável

foto do autor



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D