Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Voltei

por Marquês, em 21.03.13
Passadas três semanas, estou de volta e mais bonito do que nunca. A sério, até fui ao cabeleiro e tudo! Durante este tempo não me esqueci de vós, apenas andei distraído com a eleição do novo Papa, que ao menos gosta de futebol, e andei desmotivado pela falta de tomates do governo e pela chuva. Até curto chuva, quando não tenho o azar de ficar todo ensopado e porra, estas semanas sempre que chove há uma maldita nuvem que me persegue... E por demais, sou Gémeos e tenho direito a passar metade do ano desmotivado, já tirei uns dias, agora já passou.

Transferências do dia: Wolfswinkel no Norwich, Sócrates na RTP, e eu desejava ler em algum sítio que o Passos Coelho e o Relvas tinham ido parar à Cochinchina (para os leitores maiores de idade, podia ter dito para a p*** que os pariu, mas em relação a seres inferiores gosto de manter a dignidade). E a Cochinchina existe mesmo, fica para os lados do Vietname, como quem vai em frente e vira à direita, ou à esquerda se vier no sentido contrário. Não tem nada que enganar.

Nada tenho contra o Sócrates versão comentador político. Devo ser dos poucos neste país, mas sempre gostei de ser do contra. Se o Santana Lopes e a Ferreira Leite podem fingir ser comentadores políticos, não vejo onde o Zézinho seja pior pessoa. Preferia ver o professor José Adelino Maltez ou o Miguel Esteves Cardoso a comentar, dois homens sem papas na língua e que dizem coisas que eu gosto de ouvir. Mas é a minha singela opinião.

Quanto ao Wolfswinkel, existem duas formas de ver as coisas: desportiva e empresarial. No primeiro aspecto, é um bom negócio para o Sporting, a ser concretizado. O rapaz é fraquinho, pode ser uma jóia de moço, o genro que todas as sogras desejam, mas é fraquinho como ponta-de-lança e não serve para o Sporting. Talvez seja bom demais, talvez chegue a Inglaterra (onde é raro vermos jogadores tão franzinos e moles) e se torne num grande avançado, talvez o Norwich o venda daqui a um ano por 30 milhões para um colosso. Para o Sporting é um bom encaixe de 3 ou 4 milhões, visto não deterem mais que 35% do passe, por um activo que nos últimos meses está a desvalorizar. O facto de ficar até final da época tem tudo para dar bom resultado - sabe que no futuro vai para um clube novo, para outro campeonato mais competitivo e com maior visibilidade, vai ganhar melhor, pode passar estes meses no Sporting sem preocupações - e acredito que esse alívio psicológico vá resultar numa subida de rendimento. Do ponto de vista empresarial... o Godinho é um sacana. Investiu, mal, no clube e agora, de malas feitas, quer encher os bolsos e fingir que deixa o clube mais saudável com este negócio. Quem vier a seguir que se lixe, à boa moda portuguesa, e cobarde. Já se fala que também pode vender o Capel e o Schaars, dois jogadores acarinhados pelos adeptos e dos melhores no plantel. É um acto de cobardia. Os jogadores até podiam não fazer parte dos planos do novo presidente, mas não deve ser o demissionário a decidir isso como despedida. Adeus inglório deste "sonhador".

Autoria e outros dados (tags, etc)

Entre praia e uma casa antiga

por Marquês, em 30.07.12
Este fim-de-semana dei por mim a absorver cultura à bruta! Vivi o sacrifício de acordar cedo ao fim-de-semana, fugi às praias e aos centros comerciais e fui absorver cultura à bruta! Museus, palácios e paisagens, foi spectacular!

Vivo na capital há ano e meio e só agora aproveitei para recordar alguns espaços, ver outros pela primeira vez, viver um pouco da história de todos nós. Até fui ver a colecção do Berardo! E terminei no novíssimo Museu Nacional do Desporto. No final, aquele sentimento agri-doce que arrepia a espinha. Orgulho no meu país, orgulho nos feitos dos portugueses, orgulho nas peças que vi, orgulho em ser compatriota de quem construiu e de quem combateu e de quem ergueu e de quem viveu, orgulho em ser compatriota de Vasco da Gama e de Moniz Pereira, de D. João I e de Ricardo. E uma tristeza imensa em ver tanta obra a precisar de restauro, tanta obra esquecida pelo povo, tanto pedaço de história que nenhum português conhece. Visitei um palácio, quatro museus e um jardim sem gastar um cêntimo. E vou repetir a viagem brevemente, e visitar o que não tive tempo. 

Sinto que aqueles espaços deviam estar cheios de gente a comentar sobre as peças e vibrar ao ouvir a história da nau "Vasco da Gama" ou do regícidio de D. Carlos I e do infante D. Luís Filipe. As obras cuidadas, restauradas, e sempre a "sorrir" para o visitante. Enfim, faltava algo.

Entretanto, fica a frase da jornada, pela voz de um amigo: "Devíamos ter um cartão Relvas. Em cada museu carimbavam o cartão e no final tínhamos uma licenciatura em História!". Ainda não pedi equivalência mas pode ser que obtenha um 11.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Haja política e ensino neste país, sff

por Marquês, em 12.07.12
Raramente falo de política. E tenho razões, que são minhas e são válidas, e que acho por bem partilhar convosco. Em primeiro lugar, confesso que não percebo nada de política, talvez exista mais alguns temas que não compreenda, mas de política nada percebo. E em segundo lugar, porque em Portugal não existe política, nem tão pouco políticos. Se calhar isso ajuda a perceber a situação actual do país, não há políticos, não há gestores, não há economistas, não há engenheiros... Não, meus amigos, não estou a dizer uma idiotice de todo o tamanho, estou simplesmente a ironizar. Eu sei perfeitamente que em Portugal há políticos, gestores, economistas e engenheiros, alguns de qualidade tal que posso afirmar serem dos melhores do mundo. Contudo, não estão onde nós, reles povo, gostaríamos. No Governo, os políticos são quase inexistentes. Eu posso pegar num estetoscópio que isso não faz de mim um médico (Perceberam a metáfora? Genial, não é ? Ultimamente ando muito forte em metáforas!).

Há tempos, estive sem trabalho. Licenciado, maior de idade, teso que nem um carapau, sem trabalho. Já tinha trabalhado, já tinha feito descontos, já tinha estado a contrato. Nunca tinha trabalhado mais de quatro meses seguidos a contrato. Ao que parece, não cheguei a averiguar a fundo porque entretanto arranjei trabalho, precisava de ter cumprido um contrato superior a seis meses para receber subsídio de desemprego. Resumindo, não tinha habilitações para ser desempregado. Nesse momento comecei a ver o Governo com outros olhos. O nosso primeiro-ministro, ao que consta, pouco trabalhou na vida (exercendo cargos para os quais não tinha aparentes habilitações), tirou uma licenciatura em Economia, aos 37 anos (!) e é o "chefe" de um país. O anterior, cujas actividades laborais também são duvidosas e pouco consistentes, tirou uma licenciatura em Engenharia, num dia em que a Universidade até deveria estar fechada... Não sou inspector da PJ nem Juiz mas consigo perceber que, em Portugal, qualquer um pode fingir ser o que quiser. Eu, leigo, não vejo onde economia e engenharia ensinam política.

Antigamente, um jornalista em Portugal era um nabo, um rejeitado, um desajeitado. É verdade. Editores, chefes de redacção, repórteres, cujos cursos variavam entre arquitectura e ciências. Sem emprego na sua área, surgia o jornalismo, qual El Dorado, e uma carreira de sucesso. Gente que algum valor teria, que até sabiam redigir um texto, mas que nunca estudaram jornalismo na vida. Na política também sofremos desse mal. Lecciona-se Política em certas universidades, públicas inclusive, mas a maioria dos "políticos" que vemos na televisão, são nabos, rejeitados ou desajeitados de outras áreas. E lembrei-me disto porque o ministro dos assuntos parlamentares, dos poucos que até poderia dizer ter estudado Política, conseguiu tirar uma licenciatura de três anos em apenas um - ao que um ignorante diria "é sobredotado"!

Das duas, uma: ou o ensino em Portugal anda todo trocado, ou então Portugal é governado por sobredotados...

Autoria e outros dados (tags, etc)


O responsável

foto do autor



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D