Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Cem textos

por Marquês, em 11.10.13
E hoje, por pura coincidência, chego ao texto (ou post) número 100 neste blogue. Há exactamente um ano e cinco meses (o que equivale a uma porrada de dias cujo cálculo acho irrelevante) premi pela primeira vez o botão "publicar" e dei vida a este quarto sem renda no espaço cibernético.

100, 10x10, uma centena, primeiro número de três dígitos, cem. Basicamente é isto. Não vejo grande coisa a dizer sobre este número. O meu número favorito é o 25, está bem longe do 100, apesar de ser um quarto de cem. 100 é também o número de metros que eu corria quando fazia atletismo. Outro facto completamente desinteressante visto nunca ter chegado a campeão mundial. Aliás, hoje em dia, se fosse fazer uma corrida com o Usain Bolt, dava para ele terminar a corrida, beber um café, ir dar uma entrevista para a Sky Sports e depois eu cortava a meta. Não que eu esteja balofo, até perdi gordura e ganhei músculo nos últimos tempos (ginásio e treinos de futebol), mas, mesmo quando estava em forma, era capaz de levar uma enorme tareia do Bolt, quanto mais agora...

Fiz uma pesquisa rápida no Google só com o número 100 e apareceu uma "comunidade 100% cool" a quem, involuntariamente, vou fazer publicidade porque me aconselharam a fazer um teste de alcoolemia. É verdade. Eu aqui a ponderar ficar feliz por estar a escrever pela centésima vez neste espaço e mandam-me ter atenção à bebida antes de conduzir. Enfim, vou beber mais um copo de vinho porque já lá vão cem, porra!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Jogos Olímpicos vistos por um tuga

por Marquês, em 21.08.12

Muito se desdenhou sobre a participação lusa nos Jogos Olímpicos Londres 2012, falto eu escrever algumas linhas sobre isso. E assumo aqui a posição, irremediavelmente, do contra. Contra os anti-portugueses, contra os idiotas cujo desporto praticado é o zapping, contra os preguiçosos, contra os de mau carácter e pouca inteligência. Criticar negativamente a prestação dos atletas portugueses em Londres é ser estúpido.

Primeiro, quem já praticou desporto sabe o quão fácil é conseguir apoios e patrocínios, para treinar, para vestir, para comer. A título de exemplo, alguém se lembra de Teresa Machado? Recordista nacional de lançamento do disco, finalista nos Jogos Olímpicos de Atlanta e Sidney, esteve ainda em Barcelona e Atenas, uma das atletas com mais presenças na Taça da Europa? Pois, aos 33 anos terminou a sua ligação ao Sporting, em 2003, mas ainda alimentava o sonho de ir a Atenas. Continuou a treinar, esteve a trabalhar em limpezas em moradias e conseguiu marcar presença na Grécia! Escusado será dizer que, num país com cultura desportiva, esta Mulher teria um ordenado como atleta de alta competição.
ver notícia aqui - http://www.record.xl.pt/interior.aspx?content_id=309373

Segundo, falar mal é muito fácil. Todos somos bons, do lado de cá do televisor. Todos os atletas que vão aos Jogos Olímpicos, ou a qualquer prova desportiva internacional, têm o peso de 10 milhões de portugueses aos ombros, carregam a bandeira mais linda do mundo, dão o corpo e a cara por um país. Todos sentem um orgulho imenso em representar Portugal, todos querem ganhar por Portugal, todos querem dar uma alegria a Portugal. Que ninguém atire à cara da Telma Monteiro que ela perdeu de propósito ou que o Marco Fortes não se esforçou. Todos os atletas, profissionais ou amadores, dão sempre o seu melhor e só pensam em fazer melhor. Nem sempre é possível mas ninguém mais do que eles queria ganhar uma medalha, subir ao palco, ouvir o hino do seu país num estádio com 80 mil pessoas.

Terceiro, ninguém vai aos Jogos Olímpicos se for mau. O recordista mundial da maratona, o queniano Patrick Makau, não foi convocado para Londres. O etíope Gebresalassie, campeão olímpico dos 10.000m em Atlanta e Sidnei, não conseguiu apurar-se para Londres. São campeões, os melhores do mundo, e não foram. Mas os portugueses, que, segundo os seus compatriotas, foram lá passear, conseguiram, por mérito próprio, marcar presença no maior evento desportivo do mundo.

Pequenos pormenores que fazem uma grande diferença. Fiquei triste com os comentários que vi durante três semanas de puro espectáculo. Somos um país pequeno. Já dizia o José Cid, "Se Elton John (ou Michael Phelps ou Usain Bolt ou Allyson Felix) tivesse nascido na Chamusca, não teria tanto sucesso como eu.".

Autoria e outros dados (tags, etc)


O responsável

foto do autor



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D